Oi, camundongos!

Oi, pessoal! Nossa, parece que eu não escrevo no blog há semanas… Tipo, eu vou ser bem sincera: era MUITO contramão ir na lan house lá na praia. Não tinha como ir a pé, então eu dependia de carona do pai. Até aí tudo bem, o problema é que ele me apressava pra ir embora, então eu mal começava um post e já tinha que fechar tudo e ir embora. Pra piorar a situação, cheguei em casa, a da cidade, agora, e descobri  que não está dando pra acessar a Internet aqui também. Sério, só pode ser maldição, na praia o 3G não funciona, e aqui a porcaria desse modem parece que foi possuído pelo diabo. Conclusão? Cá estou eu, nesse calor infernal, numa lan house aqui do centro. Bom, agora que já me expliquei, vamos aos posts do dia!!

Como um pacote faz TODA a diferença

Hoje eu empacotei todos os presentes de Natal que eu e o Lucas daremos (menos os chocolates, devido ao calor estilo “o inferno de Dante” em que o Brasil se encontra). A primeira coisa que eu percebi ao me colocar na atividade de horas de duração de empacotamento foi a primordial diferença entre utilizar envelopes de embrulho (aqueles que normalmente as lojas utilizam devido à praticidade) e papel de presente de verdade, aquele lindo e clássico, lá do tempo do Ariri Pistola. É óbvio que eu, uma amante do Natal desde que me entendo por gente, amo papel de presente, e sempre tento usá-lo (esse é um dos motivos por eu amar a Livraria Cultura: gratuitamente eles empacotam, de maneira per-fei-ta, e em segundos, livros, dvds e afins, que ficam com uma cara totalmente repaginada). Sim, quando NÃO se é profissional (meu caso) a coisa demora bastante; por exemplo, eu passei cerca de 3 horas manuseando rolos e rolos de papel (que ostentavam lindos papai-noéis, flores e bichinhos), fita Durex e tesoura sem ponta para chegar ao ápice da minha preparação natalina, mas valeu a pena. Ahhh, como os presentes ficaram lindos! Mesmo os que eram apenas lembrancinhas (um brinco, uma blusinha) ficaram parecendo tão bonitos e elegantes quanto um presente de centenas e centenas de reais. É como se com um simples tope (ou uma fitinha desfiada, uma figurinha), um papel que custa 5o centavos no 1,99 e um cartãozinho feito no Word, não apenas o presente, mas o mundo inteiro, ficasse mais bonito. Dica: não tem dinheiro pra comprar mais do que 2 bombons por pessoa? Coloque-os num saquinho e prenda com um topinho de fita mimosa, vai valer mais do que uma caixa de Ferrero Rocher. E quanto a cartões… Não se preocupe se não tem o que escrever, pegue um papel, escreve “feliz natal” e coloque uma frase bonita de Natal (uma de Charles Dickens, por exemplo!). Talvez empacotar um presente seja como dar um trato na aparência: se você não tem dinheiro para uma plástica, faça as unhas e passe blush. Ou no caso dos rapazes, faça a barba. É como se um presente fosse uma pessoa: se alguém não é bonito, nenhuma maquiagem ou roupa vai deixar essa pessoa uma miss, mas aposto que vai dar uma boa melhorada, do tipo que tu olha  e pensa “mas que pessoa jeitosinha!”.

Recorde!!!

U-A-U O.o

Nossa, o blog ontem marcou seu recorde absoluto (meio que triplicou seu recorde anterior). E, acreditem se quiserem, hoje parece que a façanha vai se repetir! Graças a que? Ao post da Bela Adormecida, feito há um tempão aqui no Xis Sem Maionese! Não sei exatamente o que saiu na mídia em relação ao desenho (procurei, mas não encontrei nada de especial). Se alguém souber o motivo que provavelmente levou tanta gente a pesquisar sobre o lindo romance da Aurora e do Príncipe Felipe, avisem-me! Bom, agora me vou pessoal. de noite faço um milhão de posts *-*